Escalar A Escada Celestial — Vida Após A Terra

Subindo A Escada Celestial —

Vida Após A Terra

 

1. A Transmigração Da Alma

A preocupação dos Egípcios – quase obsessão – pelas ideias de nascimento e renascimento era o elemento fundamental de suas crenças funerárias: o renascimento era um dos estágios da existência no pós vida. Textos Egípcios declaram claramente que “a alma está no céu, o corpo na terra” [Túmulo de Pepi I], isto é, eles nunca esperavam que o corpo físico nascesse novamente.

A primeira referência conhecida de um “segundo nascimento” ocorre no CLXXXII˚ Capítulo do Livro da Revelação pela Luz, onde Osíris é tratado como,

… ele [Osíris] que dá à luz homens e mulheres pela segunda vez.

“Os Egípcios”, segundo Heródoto, “foram os primeiros a sustentar que a alma do homem é imortal”. A doutrina da transmigração também é mencionada por Plutarco, Platão e outros escritores antigos como uma crença geral entre os Egípcios, e foi adotada por Pitágoras e seu preceptor Pherecydes, bem como outros filósofos da Grécia.

 

2. Avaliação De Desempenho

Num livro de instruções, um Rei Egípcio aconselhou seu filho, o príncipe, a atingir as mais altas qualidades, porque após sua morte, ele veria toda a sua vida em um único instante, e seu desempenho na Terra seria revisto e avaliado pelos juízes. Mesmo desde o período da 6ª Dinastia, encontramos a ideia de que o céu estava reservado para aqueles que haviam cumprido seu dever para com o homem e para com os Poderes Divinos enquanto estivessem na Terra. Nenhuma exceção era feita ao Rei ou a qualquer outra pessoa.

Por exemplo, o Faraó Unas (2323 BCE), antes de estar pronto para voar da terra para o céu, não lhe foi permitido dar inicio, a menos que os neteru (que estavam prestes a ajudá-lo) estivessem satisfeitos quanto à realidade de seu valor moral. Eles exigiam que nenhum homem tivesse pronunciado uma palavra contra ele na terra, e que nenhuma queixa deveria ter sido feita contra ele no céu antes da neteru (deuses). Assim, no texto de Unas lemos:

Nada foi falado contra Unas na terra antes dos homens,
Ele não foi acusado de pecado no céu antes da neteru (deuses, deusas).

Como afirmado anteriormente, os Antigos Egípcios expressavam suas crenças metafísicas em uma forma de história, como um drama sagrado ou um jogo de mistérios. A seguir estão as representações simbólicas dos Egípcios do processo do Jogo do Mistério do Dia do Juízo Final.

1. A alma do falecido é conduzida ao Salão do Julgamento do Duplo-Ma-at. Ela é dupla porque a escala equilibra apenas quando há uma igualdade de forças opostas. O símbolo de Ma-at é a pena de avestruz, representando o juízo ou a verdade. Sua pena está habitualmente colocada na balança.

2. Anubis, como abridor do caminho, guia o falecido para a balança e pesa o coração.

O coração, como uma metáfora para a consciência, é pesado contra a pena da verdade, para determinar o destino do falecido.

3. O Osíris assentado – preside no Salão da Justiça. O júri consiste de 42 juízes/avaliadores. Cada juiz tem uma jurisdição específica sobre um pecado ou culpa específica; cada um usa uma pena da verdade em sua cabeça.

4. O espírito do falecido nega cometer cada pecado/culpa diante do juiz designado, recitando as 42 Confissões Negativas. Estas Confissões Negativas vêm do Capítulo CXXV de O Livro da Revelação pela Luz (vulgarmente conhecido como O Livro dos Mortos).

O júri/juiz designado declarará sua aceitação declarando Maa-Kheru (Verdadeiro de Voz/Ação).

Aqui está uma tradução das 42 Confissões Negativas. Algumas delas podem parecer repetitivas, mas isso é causado pela incapacidade de traduzir a intenção exata e o significado da língua original.

1.Eu não tenho feito iniquidade.
2.Eu não roubei com violência.
3.Eu não roubei.
4.Eu não cometi nenhum assassinato; Eu não fiz nenhum mal.
5.Eu não defraudei ofertas.
6.Eu não tenho obrigações diminuídas.
7.Eu não saqueei a neteru.
8.Eu não falei mentiras.
9.Eu não proferi palavras malignas.
10.Eu não causei dor.
11.Eu não cometi fornicação.
12.Eu não causei derramamento de lágrimas.
13.Eu não lidei enganosamente.
14.Eu não tenho transgredido.
15.Eu não agi com astúcia.
16.Eu não pus resíduos na terra lavrada.
17.Eu não tenho sido um intruso.
18.Eu não pus os meus lábios em movimento (contra qualquer homem).
19.Eu não fiquei com raiva ou irado, exceto por uma causa justa.
20.Eu não contaminei a esposa de qualquer homem.
21.Eu não tenho sido um homem de raiva.
22.Eu não me tenho poluído.
23.Eu não causei terror.
24.Eu não queimei de raiva.
25.Eu não parei meus ouvidos contra as palavras do Direito e da Verdade. (Ma-at).
26.Eu não trabalhei com tristeza.
27.Eu não agi com insolência.
28.Eu não provoquei conflitos.
29.Eu não julguei apressadamente.
30.Eu não busquei por distinções.
31.Eu não multipliquei palavras excessivamente.
32.Eu não fiz danos, nem mal.
33.Eu não amaldiçoei o Rei. (ou seja,  violação das leis)
34.Eu não sujei a água.
35.Eu não falei com desprezo.
36.Eu nunca amaldiçoei a neteru.
37.Eu não roubei.
38.Eu não defraudei as ofertas da neteru.
39.Eu não saqueei as ofertas dos mortos abençoados.
40.Eu não roubei a comida de crianças.
41.Eu não pequei contra o neter de minha cidade natal.
42.Eu não abati com más intenções o rebanho do neter.

5. Toth, escriba da neteru (deuses, deusas), registra o veredito, assim como Anubis pesa o coração contra a pena da verdade. O resultado é:

a. Se as panelas não se equilibrarem, isso significa que essa pessoa viveu simplesmente como matéria. Como resultado, Amam (Ammit) comeria esse coração. Amam é um mestiço multiforme.

A alma imperfeita renascerá novamente (reencarnado) em um novo veículo físico (corpo), a fim de proporcionar a alma uma oportunidade para o seu maior desenvolvimento na terra. Este ciclo de vida/morte/renovação continua até que a alma seja aperfeiçoada, cumprindo as 42 Confissões Negativas, durante a sua vida na terra.

b. Se as duas panelas estiverem perfeitamente equilibradas, Osíris pronuncia-se favorável e dá seu final Maa-Kheru (O Verdadeiro de Voz).

A alma aperfeiçoada passará pelo processo de transformação e pelo subsequente renascimento. O resultado de sua avaliação determinará qual nível celestial (2-6) uma pessoa atinge.

 

3. Os Textos Transformacionais

O objeto de um e de todos os textos de transformação (funerários) Egípcios Antigos era o mesmo, a saber, obter a ressurreição e a imortalidade das pessoas em cujo nome elas foram escritas e recitadas. Os textos que acompanham o falecido variavam em conteúdo e estilo. Nenhum texto transformacional (“funerário”) de duas pessoas nunca era o mesmo. Estes textos eram adaptados para corresponder ao caminho de cada indivíduo. Encontramos a mesma individualidade dos textos nos chamados papiros “mágicos”. Os textos Egípcios descreveram em detalhes os estágios do processo de transformação da existência terrestre do homem para os diferentes reinos metafísicos.

Todos esses temas são tratados com uma profusão de detalhes no Livro da Revelação pela Luz (Per-em-hru), erroneamente traduzido e comumente conhecido como O Livro Egípcio dos Mortos. Consiste em mais de cem capítulos de comprimentos variados, que estão intimamente relacionados com os Textos Transformacionais (Funerários) de Unas em Saqqara. Este livro pode ser encontrado, em sua forma completa, somente nos rolos do papiro que foram envolvidos nos enfeites da múmia do falecido que foi enterrado com ele.

Outros escritos transformacionais (chamados funerários e religiosos) também estão intimamente relacionados com os Textos Transformacionais Funerários de Unas (Pirâmide) acima mencionados. Cada texto/escrita explora o mesmo tema base, vida/morte/renascimento, ou seja, a transformação da alma na região do Duat após a morte, por diferentes ângulos. Uma vez que não há duas pessoas iguais, não há dois textos transformacionais iguais. Estas composições são conhecidas como: O livro o Qual Está Em Duat (ou Submundo), O Livro dos Portões, O Livro das Cavernas, A Ladainha de Rá, O Livro de Aker, O Livro do Dia, e O Livro da Noite.

 

4. A Entrada Para O Novo Reino

Como resultado da avaliação de desempenho, os espíritos partem para vários domínios – dependendo de cada nível de realização durante a sua existência terrena.

Os textos transformacionais põem em marcha o processo pelo qual a nova alma progride de um reino para outro. Ela/ele deve cumprir outros requisitos e ser aceito antes de prosseguir ainda mais. Para serem admitidos em um novo reino, os moradores de cada reino devem encontrar um recém-chegado qualificado e digno de se juntar a eles, ou passar por aquele reino. Os direitos dos inquilinos no mundo espiritual são os mesmos do reino terrestre. [ Ver detalhes em um capítulo anterior deste livro. ]

O recém-chegado precisa tanto da aceitação quanto de assistência de cada habitante do reino à medida que ele/ela sobe cada vez mais alto. Assim, no túmulo de Unas (em fragmentos da pirâmide) em Saqqara, encontramos que os habitantes dos reinos mais elevados – O Povo da Luz – encontraram Unas (~ 2323 BCE) como sendo um ser digno, e assim estão aceitando e ajudando-o a ascender e a viver entre eles:

Enunciado 336

O Povo Da Luz testemunhou por ele;
as chuvas de granizo do céu tomaram conta dele.
Eles deixam Unas ascender ao Re.

Enunciado377

Seu cheiro chega até Unas, a vós neteru (deuses, deusas),
o cheiro de Unas chega até você, a vós neteru.
Possa Unas estar convosco, a vós neteru,
possa você estar junto com Unas, a vós neteru.
Possa Unas viver contigo, a vós neteru,
possa você viver junto com Unas, a vós neteru.

 

5. A Glória

Nos textos egípcios antigos, a alma realizada alcança a glória e junta-se à origem divina.

Depois de uma longa série de viagens aventureiras, a alma ressuscitada, justificada e regenerada, alcançará um lugar na comitiva dos neteru (deuses, deusas) — as forças cósmicas — e eventualmente participarão da incessante ronda de atividade que permite ao universo uma existência continuada.

Nos textos egípcios antigos, a alma realizada alcança a glória e junta-se à origem divina. Da mesma forma, a Bíblia nos diz que Jesus foi dito ter atingido a glória somente após sua morte e ressurreição:

… Deus, que o ressuscitou dos mortos e lhe deu glória… [I Pedro, 1:21]

Glória é a beleza radiante do esplendor e magnificência — o céu ou a bem-aventurança do céu — que é alcançada pela maior conquista. A glória é representada na arte-final como um halo ou um círculo da luz. No Egito antigo, o Neter (Deus) re representa a luz e é representado como um círculo.

A relação entre o ciclo de morte e ressurreição é refletida na forma egípcia do “nome” de Osiris sendo ausar, que consiste em duas sílabas-Aus-ra. A primeira sílaba do nome (Aus-ra) é pronunciado AUS ou ósmio, significando a força do “, pôde, poder”. O nome do Neter (Deus) significa algo como a força de re. Este significado descreve a verdadeira essência do Neter (Deus) Osiris.

No ciclo de Aus-ra, ausar (Osiris) é identificado com a lua, a luz das regiões noturnas dos mortos. Ausar ‘ s A luz é um reflexo de ra (re), em uma de suas manifestações como o sol.

Ausar morreu (análoga à partida da lua, perto do fim do mês lunar) e ressuscitou o terceiro dia depois disso. O terceiro dia é o início de uma lua nova, ou seja, um ausarrenovado. Isso é uma reminiscência da celebração da Páscoa, onde, como ausar, o Jesus Bíblico morreu na sexta-feira e ressuscitou no terceiro dia (domingo) como uma nova vida.

Ausar (Osiris) é escrito em hieróglifos com o glifo do trono e do olho, combinando os conceitos de legitimidade e divindade.

Ra (Re) está associado com o glifo do olho. O símbolo egípcio mais distintivo é o olho, que desempenha muitos papéis complexos e sutis. O olho é a parte do corpo capaz de perceber a luz, e é, portanto, um símbolo para a capacidade espiritual.

Ra (Re) é o princípio cósmico da energia que se move em direção à morte, e ausar (Osiris) representa o processo de renascimento. Assim, os termos de vida e morte tornam-se intercambiáveis: a vida significa morrer lentamente; morte significa ressurreição para uma nova vida. A pessoa morta na morte é identificada com ausar, mas ele virá à vida Agai, e será identificado com ra.

A escrita egípcia descreve que:

torna-se uma estrela de ouro e se junta à companhia de re, e navega com ele através do céu em seu barco de milhões de anos.

 

[Trechos A Cosmologia Egípcia: O Universo Animado, Terceira Edição por Moustafa Gadalla]

Ver conteúdo do livro em https://egypt-tehuti.org/product/03-cosmologia-egipcia-o-universo-animado/


Ver conteúdo do livro em https://egypt-tehuti.org/product/04-o-antigo-egito-raizes-cristianismo/

——————————————————————————————————————

Pontos de venda de livros:

A Cosmologia Egípcia – O Universo Animado – Terceira Edição

A – Brochuras impressas estão disponíveis na Amazon.com
B – O audiolivro está disponível em kobo.com, etc.
C – O formato PDF está disponível em Smashwords.com
D – O formato Epub está disponível em Kobo.com, Apple em https://books.apple.com/us/author/moustafa-gadalla/id578894528 e Smashwords.com
E – O formato Mobi está disponível em Amazon.com e Smashwords.com

O Antigo Egito As Raízes do Cristianismo

A – Brochuras impressas estão disponíveis na Amazon.com
B – O audiolivro está disponível em kobo.com, etc.
C – O formato PDF está disponível em Smashwords.com
D – O formato Epub está disponível em Kobo.com, Apple em https://books.apple.com/us/author/moustafa-gadalla/id578894528 e Smashwords.com
E – O formato Mobi está disponível em Amazon.com e Smashwords.com