O ser humano — a réplica universal [9 componentes]

O Ser Humano — A Réplica Universal [9 componentes]

 

1.O Uno Unido

Se o homem é o universo em miniatura, logo, todos os fatores no homem são duplicados numa escala maior no universo. Todos os movimentos e forças, que são poderosos no homem, também são poderosos no universo como um todo. De acordo com a consciência cósmica dos Egípcios, acredita-se que cada ação executada pelo homem está ligado a um padrão maior no universo, incluindo espirrar, piscar, cuspir, gritar, chorar, dançar, jogar, comer, beber, e também as relações sexuais.

Para os Antigos Egípcios, o homem, como um universo em miniatura, representa a imagem creada de toda a creação. Desde que Re – o impulso creativo cósmico – é chamado,

Aquele que Tudo Une, Aquele que Sai de Seus Próprios Membros,

de modo que o ser humano (a imagem da creação) é da mesma forma, O Uno Unido. O corpo humano é uma unidade que consiste em diferentes partes, unidas entre si. Na Ladainha de Re, as partes do corpo do homem divino são, cada uma delas identificadas por um neter (deus) ou um netert (deusa).

O Homem, para os Antigos Egípcios, era a personificação das leis da creação. Como tal, as funções e processos fisiológicos das várias partes do corpo foram vistas como manifestações de funções cósmicas. Os membros e os órgãos tinham uma função metafísica, para além da sua finalidade física. As partes do corpo eram consagradas a um dos neteru (princípios divinos), que apareciam nos registros Egípcios ao longo de sua história que foi recuperada. Além da Ladainha de Re, aqui estão outros exemplos:

  • O enunciado 215 § 148-149, do Sarcófago da Câmara na Tumba de Unas (nos escombros da pirâmide) em Saqqara, identifica as partes do corpo (cabeça, nariz, dentes, braços, pernas, etc.), cada um com um neteru divino (deuses, deusas).

        A tua cabeça é a de Hórus
         . . .
         o teu nariz é Anubis
        os teus dentes são Sopdu
        os teus braços são Happy e Dua-mutef,
       . . .
       as tuas pernas são Imesty e Kebeh-senuf,
        . . .
      Todos os teus membros são os gêmeos de Atam.

  • Do Papiro de Ani, [pl. 32, item 42]:

Meu cabelo é Nun; meu rosto é Re; meus olhos estão Hathor; meus ouvidos são Wep-wawet; meu nariz é Ela que preside sobre a folha de lótus; meus lábios são Anubis; meus molares são Selket; meus incisivos são Isis; meus braços são o Ram, o Senhor de Mendes; meu peito é Neith; minhas costas é Seth; meu falo é Osíris; . . . minha barriga e minha espinha são Sekhmet; minhas nádegas são os Olhos de Hórus; minhas coxas e panturrilhas são Nut; meus pés são Ptah; . . . não há nenhum membro de mim desprovido de um neter (deus), e Thoth é a proteção de toda a minha carne.

O texto acima não deixa dúvidas sobre a divindade de cada um dos membros:

não há nenhum membro da mim desprovido de um neter (deus),

 

2. As Funções Metafísicas/Físicas das Partes do Corpo

É um instinto humano em todo o mundo usar um órgão/parte humana para descrever um aspecto metafísico. Os textos e símbolos Egípcios Antigos são permeados pelo completo entendimento de que o homem (ele todo e as suas partes) é a imagem do universo (todo e as suas partes).

Aqui estão alguns exemplos das funções metafísicas/físicas de algumas partes do corpo humano no Antigo Egito:

  • O Coração

O coração era/é considerado um símbolo da percepção intelectual, da consciência e coragem moral. O coração é simbolizado por Hórus.

  • A Língua

A língua é o músculo mais forte do corpo humano. Um homem de palavra significa como ele comanda com a sua língua aquilo que será manifestado. A língua é simbolizada por Thoth.

  • Tanto o coração e a língua se complementam, como é claramente indicado na Shabaka Stele (716-701 BCE), que é uma reprodução da 3˚ Dinastia.

o Coração pensa tudo o que ele deseja, e a Língua
entrega tudo o que ele desejar.

[Mais informações sobre as funções do coração e da língua ao longo do livro.]

  • A Coluna Vertebral e a Barriga

Em nossa sociedade moderna, as entranhas e a coluna vertebral são símbolos da coragem física. Este conceito tem raízes Egípcias Antigas. No Papiro de Ani [pl.32 item 42], lemos:

minha barriga e minha espinha são Sekhmet

Sekhmet é um netert com cabeça de leoa (deusa). A leoa é o animal mais destemido.

[ As funções metafísicas de algumas outras partes humanas são descritos ao longo do livro. ]

 

3. Os Nove Componentes do Homem

Nós existimos em inúmeros e diferentes níveis de uma só vez, a partir do mais físico para o mais espiritual. De fato, num certo sentido, não há diferença entre físico e espiritual, apenas as gradações em que se encontram entre as duas extremidades do espectro.

Acredita-se que após o nascimento, o ser humano possui um corpo físico (khat) e um duplo imaterial (Ka), que viveu no interior do corpo e era associado estreitamente com o Ba, que habitava o coração, e que parece ter sido associado com a sombra do corpo físico. Em algum lugar do corpo vivia o Khu ou o Espírito-alma, na qual sua natureza era imutável, incorruptível e imortal.

Todos estes foram, no entanto, interligados inseparavelmente, e o bem-estar de qualquer um deles era a causa do bem-estar de todos; e ainda mais atrás, como nos textos do Unas (vulgarmente conhecido como “Pirâmide”), eles são fundidos entre si. Cada um tem sua própria distinção e poderes; mas existem relações bilaterais e trilaterais entre os componentes individuais.

Na cosmologia Egípcia Antiga, todo o homem é composto por nove componentes como se segue:

1. uma força vital – chamada Sekhem
2. um nome [secreto] – chamado Ren
3. um Espírito-alma – chamado Khu
4. uma sombra – chamada Khaibit
5. um Coração-alma [corpo etérico] – chamado Ba
6. um duplo/imagem – chamada Ka
7. um coração [a consciência] – chamado Ab
8. um Espírito-corpo – chamado Sahu
9. um corpo natural – chamado Khat

1. SekhemSekhem representa o poder vital.

Re é chamado de O Grande Sekhem.

Sekhem é mencionado juntamente com Ba e khu.

O Sekhem está relacionado com [associado com] o Khu.

 

2. RenRen, como o nome [secreto] de um homem se acreditava existir no céu, e nos textos do Unas (“Pirâmide”) somos informados de que

    seu nome, vive com sua Ka.

 

3. O Espírito-Alma (Khu)O Khu é o elemento espiritual mais elevado. É um componente brilhante e luminoso. Khu-s também são os seres celestiais, que vivem com a neteru (deuses, deusas). Cada khu pode, então, ser equivalente ao anjo da guarda.

O Khu é mencionado em conexão com o Ba e o Khai-bit (alma e sombra), e com o Ba e o Ka (alma e seu duplo), mas fica claro que é algo completamente distinto de Ka, Ba, e de Khaibit, embora em alguns aspectos o qual deve ter possuído características similares a estas entidades imateriais do homem.

4. Khai-bitKhaibit é a sombra ou penumbra – o qual intercepta a luz. Esta parece ter sido uma entidade que serviu para concentrar ou unir os Ka-s inferiores com todos os seus apetites e desejos carnais. O khai-bit parece corresponder com a nossa noção de fantasma – principalmente aqueles que aparecem nos cemitérios.Os Baladi Egípcios acreditavam que cada pessoa tem uma sombra – uma entidade separada – que o segue na vida, morre e vai para a sepultura com ele.

É interessante notar que a palavra Egípcia “Khai'” significa companheiro/irmão.

5. Ba— O Coração-Alma (Corpo Etéreo)Enquanto componente # 3 acima sendo khu a alma espiritual, o 5˚ componente aqui representa a alma do coração.Mais tarde vamos encontrar coração Ab [Ba soletrado ao inverso] como o 7˚ componente.

Deve-se sempre lembrar que o termo coração não significa um órgão físico humano, mas a consciência.

Portanto Ba como o coração-alma representa a totalidade das forças vitais do homem, que incluem as suas capacidades físicas e psíquicas. Como tal, Ba é retratado como um pássaro com cabeça de homem.

O pássaro Bennu representa a totalidade do conceito de Ba no universo.

No ciclo de creação o qual reflete o papel da dupla Ra e Osíris/Aus-Ra, o pássaro Bennu é referido como ambos, O Ba de Ra e O Ba de Osíris/Aus-Ra – o todo – englobando BA.

Em resumo, o Ba representa:

– A manifestação externa
– A personificação do poder/força vital

A manifestação do poder, ou o poder manifestado não pode existir de forma independente (do corpo); e, portanto, o Ba humano deve manter contato com o corpo.

6. O Ka ou Duplo (Corpo Astral)Ka é o poder que corrige e torna individual, o espírito que anima aquilo que é BA.Ka é o complexo que contém os poderes atrativos ou magnéticos, cujo resultado é o que hoje chamaríamos de personalidade: o sentido que permeia o “Eu” que habita o corpo, mas que não é o corpo. (O “Eu” pode estar presente mesmo quando o sentido do corpo é perdido inteiramente, como numa paralisia total ou em certos tipos de anestesia.)

O Ka é complexo.

– É o animal Ka preocupado com os desejos do corpo;

– o divino Ka é que atende a chamada do espírito; e

– a intermediação de Ka que fornece o impulso para aqueles no caminho, para ganhar gradualmente o controle do animal Ka e colocá-lo a serviço do Ka divino.

Na raiz de Ka – conceitualmente reside a convicção da consciência, a vida ativa não é a função do corpo, mas sim flui a partir de uma potência mais elevada que ativa o corpo e é, portanto, o veículo real de vida. O poder vital é o Ka. Não há vida consciente sem ele. Ele existe apenas por meio de seu próprio efeito.

Quando o corpo nasceu, nesse instante entrou em existência com ele uma individualidade abstrata ou ser espiritual, que era completamente independente e distinta do corpo físico, mas seu domicílio era o corpo, cujas ações era supostamente dirigir, e guiar, e manter o olhar sobre ele, e que vivera no corpo até o corpo morrer. Nenhuma criança saudável nunca nasceu sem este ser espiritual, e quando os Egípcios desenhavam figuras dele, sempre o faziam com que se assemelhasse ao corpo a que pertencia; em outras palavras, eles consideravam-no como o seu “DUPLO”. Seu nome em egípcio era Ka.

Sendo duplo, ele é a duplicação/imagem do seu Ba.

7. O Coração (Ab)O Ab é o coração, e que corresponde a consciência. (o reverso de Ba = coração-alma)Hórus é chamado de o “morador dos corações”, o “senhor dos corações”, o “assassino do coração.”

8. SahuSahu é definido como um Espírito-corpo – o corpo metafísico [espiritual].Os Antigos Egípcios nunca esperavam que o corpo físico subisse novamente; pelo contrário, os textos declaram claramente que “a alma está no céu, o corpo na terra“. Os Egípcios acreditavam que algum tipo de corpo ressuscitou dos mortos, e continuou a sua existência no Outro Mundo.

O corpo espiritual foi habilitado a subir a partir do corpo físico através dos ritos e cerimônias que eram realizadas sobre ele.

No dia do enterro, através de orações e de rituais próprios, o corpo físico tinha o poder de se transformar num Sahu – o corpo metafísico (espiritual) – Desperto.

Corpo espiritual = duradouro e incorruptível

Nos textos Egípcios Antigos lê-se:

Eu floresço/broto como as plantas
Minha carne floresce

O corpo que se torna um Sahu tem o poder de se associar com a alma e de manter uma conversa com ela. Ele pode subir e habitar com a neteru (deuses, deusas) – em sua Sahus.

Sahu como múmia deitada num caixão – indica um corpo espiritual que é duradouro e incorruptível.

A palavra “Sahu” parece significar algo como “livre”, “nobre”, “chefe”, e, neste caso, parece ser usada como o nome para um corpo que, por meio das cerimônias religiosas que foram realizados sobre ele, obteve a liberdade do corpo material e o poder através do qual tornou-se incorruptível e eterno.

Daí surgiu a grande importância das cerimónias fúnebres e das ofertas, as quais fazem com que um corpo espiritual salte do corpo físico, e o seu Ka continue sua existência após a morte do corpo a que ele pertencia.

Através de poderes de orações, de rituais, o corpo pode se transformar em Sahu – e como as Duas Irmãs [Isis e Nephthys] despertar (Sahu) Osíris.

Como o corpo físico é o cumpridor da forma – o lugar de Ka e da alma, de modo que ao corpo espiritual foi acreditado para conceder – é uma habitação para a alma, pois é nitidamente dito que “as almas entram em seu Sahu”. E o corpo espiritual tinha o poder para viajar em todos os lugares no céu e na terra.

9. KhatO khat é definido como um corpo físico/natural – corruptível.Khat – Significando corruptível – é o reverso de Akh – luminoso, incorruptível.

Khat está sujeito a deterioração, mas também pode se referir a um corpo mumificado.

Acima foi mostrado os nove componentes, por ordem decrescente da sua origem divina.

À partir da terra e movendo-se para cima através dos níveis, é um processo de derramamento destes diferentes “envólucros”, e movendo-se através dos vários reinos ao ponto mais alto de que a alma é capaz, antes de descer novamente ao renascimento.

 

[Um trecho A Cosmologia Egípcia: O Universo Animado, Terceira Edição por Moustafa Gadalla]

Ver conteúdo do livro em https://egypt-tehuti.org/product/03-cosmologia-egipcia-o-universo-animado/

———————————————————————————————————————-

Reserve outlets de compra:

A-brochuras impressos estão disponíveis na Amazônia.

———-
B-o formato PDF está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
—–
C-o formato mobi está disponível em…
i-nosso site
ii-Amazônia
—–
D-o formato ePub está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
iii-iBooks, Kobo, B & N (Nook) e Smashwords.com