Zikr/Dhikr — A Prática Ecestática

Zikr/Dhikr — A Prática Ecestática

 

Prólogo

Não estamos cientes da existência da maioria dos nossos arredores, que não vemos e ouvimos porque suas freqüências são mais rápidas/mais lentas do que as frequências sonoras e de luz que nossos sentidos podem detectar. Mesmo que nossas faculdades humanas sejam perceptivas, elas são, no entanto, limitadas, como um rádio que só pode receber certas ondas eletromagnéticas e não outras partes desta banda. Nossos sentidos estão mais familiarizados com a matéria, a forma mais densa de energia. Formas mais claras e mais rápidas de existência estão além de nossas capacidades sensoriais. O mundo percebido é, portanto, uma distorção.

O objetivo de viajar o caminho visa dispersar os véus que escondem o eu do real e, assim, tornam-se transformados ou absorvidos em unidade indiferenciada. A prática Zikr fornece os meios para um Seeker místico purificado para fechar a lacuna entre o Reino físico/natureza e natureza metafísica. Zikr é um método particular de abordagem para a realidade, fazendo uso de faculdades espirituais intuitivas e emocionais que são geralmente dormentes e latentes, a menos que chamado em jogo através do treinamento, orientação.

Zikr é o ritual central dos místicos egípcios. Esta prática conduz à libertação de si mesmo do corpo e da limitação dos sentidos humanos. Como resultado, a consciência do participante é levantada, pela qual o Seeker místico alcança o conhecimento de Deus por meio de revelações onde existem Estados de êxtase visionário.

As tradições sufi adiantadas reconhecem que Zikr foi introduzido no Sufismo islamizado pelo egípcio Dhu ‘ l-nun Al-Misri, que disse: “Zikr é a ausência de si mesmo (recoletando Deus sozinho).” A ausência de si mesmo é o recolhimento ideal de Deus. Todo o misticismo egípcio repousa sobre a crença de que quando o self individual é perdido, o Self universal é encontrado. Os místicos purificados se esforçam por perda de si e absorção para o divino, a fim de obter iluminação pessoal e transcendência — um visionário extático.

Há três termos para esta prática. Todos os três termos descrevem vários aspectos da mesma prática. A seguir estão os significados de cada termo:

Zikr— significa testificar ou recordar. Implícito no termo lembrança é a noção de que estamos voltando ao que já sabíamos (através de nossas vidas passadas) — o que já aprendemos. A lembrança é alcançada pelo coração e pela língua de cada um [Ver também o apêndice A].

Hadra— significa presença; ou seja, estar na presença de espíritos em reinos mais elevados, ou chamar de espíritos superiores. A resposta e a participação destes espíritos superiores no Zikr são muito importantes, como será detalhado mais tarde. O objetivo do Zikr/Hadra é alcançar o transe extático quando a alma é atraída para e é absorvida por um tempo no “All-Soul”, como um ímã.

Samaa— que, na língua egípcia antiga, significa unir-se através do som/música. Como afirmado anteriormente, as tradições sufi reconhecem que a música apropriada é o meio de transmissão e intermediação entre humano e divino. Samaa é o método eficaz/maneira de cumprir o desejo de unir/desaparecer em Deus. Em outras palavras, as composições musicais certas e o som de palavras/nomes induzem um estado de êxtase. O egípcio Dhu ‘ l-nun El-Masri disse, de Samaa: “aqueles que ouvem com suas almas podem ouvir a música celestial/chamada.”

Note-se que o conceito de Samaa também é muito importante em mouleds [Ver capítulo 10 para mais detalhes].

Qual È Zikr?

Zikr é uma prática realizada por um grupo de requerentes místicos, por cânticos, gestos rítmicos, dança e respiração profunda. Ao realizar sua dança ritualística, o grupo repete palavras e frases, acompanhado por um coro bem treinado realizando música instrumental e vocal. Em Zikr, o acompanhamento cantando de rosários musicais bem compostos ajuda a alcançar o transe. A música define o ritmo (batida), que é alterado pelo condutor/guia para alcançar as condições de transe necessárias para alcançar visões extáticas.

Os movimentos corporais de participantes Zikr estão ligados a um pensamento e um som, ou uma série de sons. Os movimentos desenvolvem o corpo, o pensamento centra a mente, e o som funde os dois e orienta-os para uma consciência do contato divino.

A dança sagrada representacional do Zikr é análoga aos movimentos do cosmos e à unidade do universo. Os indivíduos que executam o Zikr-como conduzido por seu guia-são como os planetas de um sistema solar. Em outras palavras: o guia/líder é o sol e os candidatos a participantes são os planetas-cada um em sua própria órbita-ainda, eles são mantidos em uníssono por seu guia/líder.

Como os planetas dançantes, os buscadores místicos (sufis) que participam do Zikr se tornam sujeitos/agentes rituais e objetos rituais. Tornam-se assim na repetição dos mais econômicos e condensados de símbolos — a palavra. Como explicado nos itens 3 e 4 do apêndice A, não é apenas a palavra de divindade, mas os logotipos; a palavra que, num sentido misterioso, é a divindade. [Mais detalhes seguem, mais tarde.]

 

[Um trecho Egyptian Mystics: Seekers of the Way, 2nd ed. por Moustafa Gadalla]

Místicos egípcios: buscadores do caminho, 2º Ed.

Ver conteúdo do livro em https://egypt-tehuti.org/product/egyptian-mystics-2/

———————————————————————————————————————

Pontos de venda de livros:
A – Brochuras impressas estão disponíveis na Amazon.com
B – O audiolivro está disponível em kobo.com, etc.
C – O formato PDF está disponível em Smashwords.com
D – O formato Epub está disponível em Kobo.com, Apple em https://books.apple.com/us/author/moustafa-gadalla/id578894528 e Smashwords.com
E – O formato Mobi está disponível em Amazon.com e Smashwords.com