As técnicas de cultivo superiores egípcias antigas

As técnicas de cultivo superiores egípcias antigas

 

O Egito é (e era) uma das regiões mais áridas do mundo. O rio Nilo no Egito recebia (e continua a receber) 90% de sua água durante um período de inundação de 100 dias todos os anos, conforme observado por Heródoto, em História [2, 92], onde declara:

o Nilo começa a encher no solstício de Verão, prosseguindo gradativamente a cheia durante cem dias, e por que razão, enchendo por esse espaço de tempo, ele se retrai, baixando de maneira notável e permanecendo pouco volumoso durante todo o Inverno, até o novo solstício de Verão.

As águas de inundação do Nilo vêm como resultado da estação chuvosa na Etiópia, que corrói o sedimento das terras altas etíopes e o leva para o Egito ao longo do Nilo Azul e outros afluentes. Nenhuma quantidade apreciável de água chega ao Egito através do Nilo Branco, que começa a partir da África Central.

Os antigos egípcios administravam seus recursos hídricos limitados de forma eficiente e tornaram-se os melhores agrários de clima seco no mundo. O Antigo Egito era reconhecido mundialmente por técnicas de irrigação e agricultura de clima seco. Diodoro mencionou o eficiente sistema de cultivo egípcio,

sendo desde sua infância levados a atividades agrícolas, eles superavam os agricultores de outros países e conheciam as capacidades da terra, o modo de irrigação, a estação exata para semeadura e colheita, e todos os segredos mais úteis relacionados com a colheita, os quais foram recebidos de seus antepassados, e melhorados através de sua própria experiência.

Várias entidades foram formadas ao longo do Vale do Nilo para gerenciar as inundações efusivas, observando, registrando e regulando o fluxo de água por todo o Vale do Nilo. Como consequência, um sistema de irrigação comum altamente organizado foi desenvolvido e utilizado desde tempos imemoriais.

Os limitados recursos hídricos disponíveis no Antigo Egito eram gerenciados de forma mais eficiente utilizando-se métodos organizados de conservação e desvio de água. Segundo Estrabão, o sistema de irrigação comum egípcio era tão admiravelmente gerenciado,

que a arte tentava, às vezes, prover o que a natureza negava e, por meio de canais e aterros, havia pouca diferença na quantidade de terra irrigada, fosse a época de cheia fraca ou abundante.

Os antigos egípcios faziam observações precisas sobre o aumento da elevação do Nilo durante a estação de inundação. Nilômetros, dispositivos usados para medir a alta e baixa gradual do Nilo, foram construídos em várias partes do Egito, e as flutuações da superfície da água eram registradas e relatadas. As elevações nos nilômetros em todo o Egito eram ligadas a um único dado comum. A regulamentação das quantidades e da duração do fluxo era controlada por funcionários experientes, usando bloqueios de eclusa para controlar o fluxo de água até uma altura e duração determinada. Diodoro, em I. [19. 5 – 6], afirma:

na hora da inundação, piscinas estagnadas sobre a terra podem não se formar para o seu detrimento, mas a água da inundação é deixada na região campestre, em um fluxo suave, conforme seja necessário, através de portões que eles [os egípcios] construíram.

A água da inundação era administrada de forma diferente em vários distritos. Isso dependia de muitos fatores, tais como as alturas/elevações relativas das terras adjacentes, e as plantações sendo cultivadas no momento, etc.

Os antigos egípcios entendiam os diferentes tipos de solo – para fornecer uma variedade de produtos agrícolas. Eles até aproveitavam a margem do deserto, onde o solo é uma mistura de argila e areia, para o cultivo de videira e algumas outras plantas que são adequadas para esses solos.

Além da mistura de terra nitrosa que era alimentada com limo de colinas da Etiópia, os egípcios usavam a nutrição adicional do solo, tais como fertilizantes naturais – estrume de diferentes animais e pássaros – para diferentes propósitos. Além disso, os antigos egípcios também usavam fertilizantes “químicos”, espalhados pelas superfícies. Estes eram utilizados para certas culturas, particularmente aquelas cultivadas no final do ano.

Não só os antigos egípcios forneciam água para as terras baixas, mas também eram capazes de irrigar as terras que estavam muito longe do rio para serem inundadas diretamente por ele. Para chegar até as areias do deserto, eles utilizavam um sistema de canais e dispositivos de elevação de água. A água era elevada para canais superiores no Antigo Egito usando:

1. A picota – o modo comum de obter água do Nilo ou de alimentar canais com uma pequena quantidade de água. Consiste basicamente em uma estaca e um balde.

2. A máquina de pés (bomba) mencionada por Fílon, que repercute em Deuteronômio [xi. 40],

Egito, de onde saíste, em que semeavas a tua semente, e a regavas com o teu pé, como a uma horta.

3. Os parafusos hidráulicos – as bombas de água egípcias eram famosas em todo o mundo e foram utilizadas nas atividades de mineração na Ibéria, conforme o seguinte testemunho de Estrabão, em Geografia, [3.2.9]:

Então, Posidônio implica que a energia e indústria dos mineiros turdetanos [do sul da Espanha] são parecidos, já que cortavam os seus eixos obliquamente e profundamente, e, no que diz respeito aos córregos que os encontram nos eixos, muitas vezes os extraía com parafuso egípcio.

O “parafuso egípcio” era projetado e fabricado com o mesmo princípio de nossas bombas modernas, que consistem em um tubo espiral enrolado em torno de um eixo, ou um grande parafuso em um cilindro, girado à mão ou por meios mecânicos. O do tipo movido a mão é, agora, comumente conhecido no Egito como tanbour.

4. A roda d’água, com suas conchas para pegar água dos rios e fornecê-la para canais de irrigação. Elas são eficientes em fornecer água para níveis mais altos e, portanto, podem ser encontradas em lugares como o Oásis de Faium, ao sul do Cairo.

Os projetos de obras hidráulicas e de recuperação de terras egípcias antigas eram enormes – mesmo nos nossos padrões atuais de projetos que utilizam equipamentos pesados. Aqui estão alguns exemplos:

1. Um grande projeto de desvio de canal foi realizado há mais de quatro mil anos. O projeto começou na atual Assiut, onde uma grande quantidade de água do Nilo costumava chegar na região da atual Faium – localizada a cerca de 100 km [65 milhas] a sudoeste do Cairo. O Oásis de Faium fica abaixo do nível do mar e contém o Lago Qarun. O lago foi usado originalmente como bacia hidrográfica para o desbordamento do Nilo e já chegou a preencher toda a região. Essa água carregava e depositava consigo o limo fértil do Nilo no fundo do leito do lago. Esse antigo grande projeto foi responsável pelo desvio de milhões de galões de água, a qual era consumida nos desertos em torno da região de Faium. O fluxo de água para o lago foi reduzido. Como resultado, cerca de 80% da área original do lago foi recuperada e o solo rico foi cultivado. Uma série de rodas d’água eram usadas para puxar água para as margens ao longo dessa bifurcação do Nilo. Além disso, mais água ficou disponível ao longo do Vale do Nilo, a norte de Assiut – aumentando as terras aráveis.

2. Há evidências arqueológicas de grandes projetos públicos em Semna (atual), durante o tempo do Rei Senwasret III [1878 – 1844 AEC]. A área de Semna, acima da Terceira Catarata, era fértil e mantinha uma grande população. Durante o Reino Médio, uma barragem artificial bloqueava o canal. Uma porção dessa barragem ainda é visível, até hoje, no Semna Oriental. A construção da barragem elevou o nível do Nilo por centenas de quilômetros ao sul, permitindo que expedições comerciais navegassem para o interior da África. Há cerca de 25 inscrições nas rochas abaixo das fortalezas dos canais do Semna Oriental e do Semna Ocidental. Elas representam os níveis de inundação do Nilo registrados durante o Reino Médio e todas mostram um nível cerca de 8 m [25 pés] acima dos níveis máximos de água dos dias atuais.

 

[Um trecho A Cultura do Antigo Egito Revelada, Segunda Edição por Moustafa Gadalla]

Ver conteúdo do livro em https://egypt-tehuti.org/product/cultura-antigo-egito-revelada/

——————————————————————————————————————-

Reserve outlets de compra:

A-brochuras impressos estão disponíveis na Amazônia.

——————-
B-o formato PDF está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
—–
C-o formato mobi está disponível em…
i-nosso site
ii-Amazônia
—–
D-o formato ePub está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
iii-iBooks, Kobo, B & N (Nook) e Smashwords.com